Planner x Bullet Journal: qual escolher para 2019?

Planner x Bullet Journal: qual escolher para 2019?

Você já decidiu abandonar a agenda convencional, que passou 2018 inteiro guardada na gaveta e não te ajudou em nada. Agora, o desafio é escolher entre o planner e o bullet journal para registrar todos os seus compromissos nos próximos meses.

Apesar de serem diferentes, os dois formatos têm características que os tornam bastante parecidos. Uma delas é a possibilidade de se organizar por semanas e ter uma melhor visualização das tarefas, metas e do planejamento anual como um todo.

Para te ajudar nessa difícil missão, preparamos um post apresentando as características de cada tipo e explicando como usar o planner e o bullet journal. No final, conta pra gente qual dos modelos você vai usar em 2019, combinado?

 

Planner

Se você tinha o costume de usar agendas, mas viu que com o tempo elas deixaram de ser funcionais, vai gostar do planner. Ele é uma versão mais moderna e completa do modelo tradicional, apresentando um planejamento fluido e eficaz em suas páginas.

Principais características

  • Páginas impressas;
  • Não é datado;
  • Divisão semanal e mensal;
  • Divisórias de mês com espaço para anotações;
  • Cartelas de adesivos.

Como preencher?

As páginas do planner já vêm impressas, o que facilita a vida de quem gosta de seguir um guia e as sugestões de campos a serem preenchidos. Esses espaços contemplam desde o planejamento financeiro até a construção de uma rotina fitness.

No planner, suas obrigações pessoais (relacionadas ao orçamento familiar, à saúde e à quantidade de água ingerida diariamente) e profissionais (projeto do mês, metas e reuniões) podem ser listadas de maneira bastante prática.

A grande maioria dos planners são acompanhados de uma cartela de adesivos. Canetas coloridas, fitas decorativas e outros elementos podem complementar a decoração das páginas. Mas se você acha que não tem muita criatividade para isso, pode seguir com o básico — anotando à lápis ou com caneta azul.

 

Bullet Journal

Já o bullet journal possui um método mais livre, focado na customização. Ou seja, é o usuário quem define o conteúdo das páginas, onde será encaixado o planejamento financeiro, os dados pessoais, o índice e todos os demais campos para anotações.

Principais características

  • Páginas em branco;
  • Folhas lisas, quadriculadas ou com pontinhos;
  • Flexibilidade para se organizar.

Como preencher?

Como você viu, o bullet journal tem suas páginas em branco, sem nenhum conteúdo impresso. Isso significa que é preciso construir seu próprio esquema de anotações. O formato pode ser usado para projetos específicos ou para o planejamento mensal.

Uma das ‘regras’ que norteiam o preenchimento eficaz do bullet journal é a criação de um índice. Sem essa lista, ficará difícil se localizar e manter um certo padrão — o que não é nada bom para quem quer ser mais organizado.

Assim como no planner, o bullet journal pode ser construído de maneira bem criativa, usando formas, cores e desenhos. Mas isso não é uma regra, já que o método funciona também com anotações simples, desde que sigam o índice proposto.

Com as características de cada tipo apresentadas, fica mais fácil entender como os dois se misturam. Aliás, tem gente que usa tanto o planner quanto o bullet journal. O primeiro para listar os compromissos que possuem data e o segundo como uma espécie de diário, onde são colocadas as metas e os planejamentos de médio e longo prazos.

 

E aí? Qual foi a sua escolha? Se precisar de mais uma ajuda, na nossa loja você encontra vários modelos de bullet journal e de planner, com diferentes opções de revestimento e com a possibilidade de personalizar com suas iniciais!

Anúncios

O valor dos produtos personalizados

Lembra como antigamente os presentes faziam mais sentido? Talvez porque todos se preocupavam em comprar ou confeccionar um item que tivesse total relação com a personalidade do presenteado. Entretanto, sabemos que hoje a correria do dia a dia acaba dificultando a elaboração de produtos personalizados em casa.

Para nossa sorte, diversas empresas oferecem artigos e serviços que facilitam a elaboração dessa surpresa em datas comemorativas ou em qualquer outra ocasião. É possível, por exemplo, encomendar algo estampado com o nome do aniversariante, com as iniciais de alguém ou até mesmo uma fotografia.

Outra tendência que tem ganhado força nos últimos anos é a customização, que surge para agregar ainda mais originalidade às coisas que compramos. Ter um item exclusivo deixou de ser uma representação de status para representar o seu modo de vida, seja ele qual for.

Realidade comercial

Quem conhece bem a realidade dos produtos personalizados são os empresários, pois muitos itens são confeccionados exclusivamente para serem distribuídos como presentes em eventos ou reuniões com clientes, funcionários e parceiros.

Entre os brindes corporativos mais encomendados estão o caderno, a agenda e o sketchbook. Essas são ótimas alternativas, especialmente quando ocorrem treinamentos, fóruns, palestras e workshops, pois os participantes podem fazer anotações que serão consultadas futuramente.

Além de serem bastante funcionais, esses produtos personalizados têm o poder de causar boa impressão, fazer com que a marca seja lembrada e mostrar o lado humanizado da instituição. Com o aumento da competitividade e o surgimento de consumidores cada vez mais exigentes, valorizar as pessoas com um presente ganhou ainda mais importância.

Originalidade dos produtos personalizados

 Imagina como o mundo seria chato se todos tivessem o mesmo gosto? Certamente tudo seria igual, da mesma cor e com a mesma forma. Assim, podemos entender que a busca pela originalidade faz parte do ser humano, já que estamos o tempo todo fazendo escolhas.

Um dos pontos positivos dos produtos personalizados é o envolvimento dos clientes em seu desenvolvimento. Desde a escolha da arte que deverá estampar as peças encomendadas e o envio do arquivo até o acompanhamento da confecção do pedido.

É importante lembrar ainda que os produtos personalizados tendem a ser feitos com mais carinho e zelo, pois sua montagem envolve certa dose de trabalho manual e matérias-primas com qualidade acima da média. Aliás, essa última informação é um detalhe sempre priorizado por quem busca produtos personalizados.

Mas, afinal, o que faz alguém trocar um item exclusivo por um normal? Talvez ‘falta de tempo’ ou ‘custo elevado’ são justificativas muitas vezes apresentadas, porém com os parceiros certos, é possível encontrar trabalhos incríveis e com custos bastante aceitáveis.

Portanto, seja em suas relações comerciais ou pessoais, os produtos personalizados surtirão impactos positivos a todo o momento. Lembre-se que qualquer pessoa gosta de se sentir única e perceber como um presente foi escolhido com carinho e de acordo com as suas necessidades.

Quer personalizar uma caderneta ou um caderno? Conheça as opções personalizáveis disponíveis na DC Paper. Após fechar o seu pedido, basta enviar a arte para o e-mail contato@dcpaper.com.br.

 

Você sabe o que é Sketchbook?

Se você já esbarrou com uma pessoa criativa na rua, em um museu ou até mesmo dentro do ônibus talvez já saiba o que é sketchbook. Ilustradores, poetas, designers e escritores carregam uma caderneta para cima e para baixo, rabiscando suas ideias e percepções.

Essa prática é chamada de sketch, que significa esboço em inglês. Apesar de integrar o processo criativo do artista, o exercício não tem compromisso com um projeto específico e pode reunir anotações desconexas — que poderão ou não servir de inspiração no futuro.

O sketchbook é a plataforma mais utilizada para tal finalidade. Inclusive, mesmo com o surgimento de várias tecnologias, o velho caderninho, e a possibilidade do contato com papéis especiais, ainda é o meio preferido de muitos artistas.

Fonte de inspiração

Uma situação comum entre criativos é ter ideias geniais em situações corriqueiras e em momentos totalmente inesperados. Bastam alguns minutos de observação em uma praça, no terminal rodoviário, naquele barzinho com os amigos ou durante um sonho…

Mas o que fazer quando esse “estalo” acontece? É nessa hora que saber o que é sketchbook faz a diferença. O caderno pode ser seu fiel escudeiro, assim como Sancho Pança foi para Dom Quixote, carregando suas armas e filtrando seus episódios de loucura.

Fazer sketch pode ser uma técnica de estudo, um passatempo ou simplesmente uma forma de registrar o que se vê — como em um diário de bordo. Os quadrinistas também costumam usar essa caderneta para construir personagens e histórias, mesclando desenhos, anotações e recortes.

A caderneta pode ser encontrada em diferentes tamanhos: grandes, médios e pequenos, que cabem dentro da bolsa, por exemplo. Além disso, é confeccionada com capa dura ou flexível, cantos arredondado, com ou sem pauta, em diferentes cores e papéis, com elástico para fechamento, com marcador de página e compartimento para guardar pequenos papéis.

O que é sketchbook na era da tecnologia?

Nos últimos anos, os sketchbooks ganharam novas representações e passaram a ser vistos para além da sua função de rascunho. Na era das mídias sociais, compartilhar o processo criativo se tornou uma grande ferramenta de divulgação para artistas em todo o mundo.

Por isso, a caderneta, que antes ficava escondida na gaveta, passou a despertar o interesse do público e, consequentemente, das editoras. Um ótimo exemplo é a coleção “Os Sketchbooks de Lourenço Mutarelli”, da Editora Pop. As publicações apresentam diversas imagens e textos esboçados pelo artista para roteiros de filmes e outros projetos.

Apesar disso, há aqueles que ainda preferem manter suas anotações guardadas ou conhecidas apenas entre os amigos. Em todo caso, hoje em dia o assunto se difundiu e muita gente conhece o que é sketchbook, utilizando-o para diversos trabalhos autorais.

Para o público familiarizado com o universo das artes, essa ferramenta é bastante inspiradora. Além de registrar seus métodos criativos com o passar dos anos, ter um caderninho a qualquer momento e em qualquer lugar motivará a sua observação.

Já tem um sketchbook para chamar de seu? Na DC Paper você encontra várias opções para começar a esboçar as suas ideias. Aproveite para seguir nossas redes sociais (Facebook e Instagram) e acompanhar outros conteúdos!

3 dicas essenciais para um bom planejamento financeiro

Mês a mês vivenciamos momentos de altos e baixos: contas imprevistas podem surgir, os parcelamentos precisam ser pagos, a compra no supermercado sempre está mais cara etc. São várias as situações que mostram a importância de um bom planejamento financeiro.

Claro que não é necessário ser um expert em finanças para acompanhar o dinheiro que entra e sai do seu orçamento pessoal. Na verdade, ter um conhecimento básico e seguir alguns passos simples são atitudes que ajudam a manter o controle das despesas.

Além disso, o equilíbrio obtido através do planejamento financeiro traz outros benefícios. As metas e os sonhos, que antes pareciam inatingíveis, se tornam parte da sua realidade. A seguir, mostraremos 3 atitudes essenciais para cuidar das finanças pessoais. Confira!

  1. Estabeleça metas

Traçar quais são as metas que você pretende atingir em curto, médio e longo prazo é o primeiro passo para um bom planejamento financeiro. Claro que com o tempo esses objetivos precisam ser revistos e redesenhados, de acordo com a sua vivência.

Outro detalhe importante é estabelecer metas realmente atingíveis — isso não significa que os sonhos maiores ficarão de fora, mas é preciso certa ponderação. Inclusive, dividir as metas em mensal, anual e para os próximos cinco anos é uma ótima saída.

Se você pretende comprar um carro daqui alguns anos, já deve começar a distribuir ações reais por todos os meses e checar se elas estão sendo cumpridas. Por exemplo: guardar R$ 500 por mês para esse objetivo. Já a meta do mês pode ser renegociar as dívidas.

  1. Pague à vista sempre que puder

Apesar de parecer extremamente difícil, pagar à vista não é impossível. Nos primeiros meses, enquanto estiver refazendo seu planejamento financeiro, será mais complicado. Porém, depois desse período será possível guardar dinheiro para comprar o que precisa.

Fazer os pagamentos à vista só tem vantagens: você se livra de um endividamento de vários meses e ainda recebe bons descontos, pagando menos do que o esperado. O cartão de crédito só deve entrar em jogo quando realmente for necessário e oferecer benefícios. Por exemplo: alguns bancos e bandeiras oferecem descontos no cinema e em shows.

Evite parcelar principalmente aquelas despesas de início de ano, que são totalmente previsíveis, como IPTU, IPVA e o seguro de automóvel. Para isso, faça provisões durante os 12 meses do ano para não ter uma surpresa quando os boletos chegarem. 

  1. Use um planner para o planejamento financeiro

 Para manter seu planejamento financeiro em dia, o ideal é anotar todo e qualquer tipo de gasto. Isso pode ser feito em uma agenda planner não datada ou até mesmo em um bullet journal. Dessa forma, será possível acompanhar as receitas e despesas mensalmente.

Montar uma planilha de gastos significa saber para onde seu dinheiro está indo. Na ponta do lápis é mais fácil identificar os gastos supérfluos e cortá-los. Lembre-se de anotar pequenos e grandes valores, desde uma simples compra na padaria até um sapato novo.

É essencial anotar também as despesas que ocorrem todo mês como, por exemplo, aluguel, supermercado, conta de luz, conta de água, internet etc. Algumas agendas, como as do tipo planner, oferecem espaços próprios para esse tipo de anotação.

Nossa última dica, mas não menos importante que as anteriores, é: nunca gaste mais do que você ganha. Siga um estilo de vida compatível com o seu orçamento, construa seu planejamento financeiro e conquiste os seus objetivos aos poucos.

Gostou do texto? Siga-nos nas redes sociais para acompanhar outros conteúdos sobre organização pessoal. Estamos no Facebook e no Instagram.

Saiba usar uma agenda planner como ferramenta de organização

Nossa rotina é permeada por diversos tipos de compromissos e atividades: reuniões, relatórios a serem entregues, aulas de inglês ou de dança, academia, lembrar-se de beber água, visitar clientes, começar um novo projeto etc. Diante de tantas tarefas, que tal aprender a usar a agenda planner como ferramenta de organização do seu dia a dia?

Agenda planner x agenda tradicional

Antes de seguirmos, precisamos entender as principais diferenças entre uma agenda normal é uma agenda planner. A primeira é aquele caderno tradicional e datado, usado geralmente para anotar compromissos por dia e horários.

Por ter um formato pré-estabelecido, o destino das agendas normais é o fundo da gaveta. Isso acontece porque o usuário não tem liberdade para se organizar completamente, pois faltam espaços adequados para outras atividades que fazem parte do cotidiano.

Já a agenda planner foi criada para atender aos profissionais contemporâneos, que preferem reunir suas rotinas em um layout mais inteligível. Por isso, principalmente os empreendedores, freelancers e profissionais liberais passaram a usar esse novo modelo.

O planner é inovador porque centraliza tudo o que precisa ser feito em uma semana, no mês ou no ano. Ele cria uma espécie de roteiro, facilitando o acompanhamento das atividades já realizadas. Além disso, a semana inteira pode ser planejada em duas páginas.

Planner como ferramenta de organização

Quantas vezes você colocou um compromisso em cima de outro ou deixou alguma tarefa importante passar? Com a agenda planner é possível evitar esse tipo de situação, utilizando-a como uma poderosa ferramenta de organização.

Geralmente, o planner deve contemplar o planejamento financeiro, reservar espaço para a sua rotina de saúde (já que isso deveria fazer parte da vida de todas as pessoas!) e incluir campos para projetos pessoais e todas as outras atividades semanais.

  • Planejamento financeiro anual: listar mês a mês qual o saldo e os gastos com moradia, saúde, educação, transporte, carro, lazer, cartão de crédito etc. Esse acompanhamento permite controlar mais o dinheiro que entra e sai da conta.
  • Projeto do mês: quem trabalha como freelancer ou profissional autônomo tem vários insights novos e cria projetos constantemente. Na agenda planner, uma página pode ser dedicada ao planejamento dessa ideia, incluindo a data de início e final, quais serão as ações e suas etapas.
  • Rotina fitness: começar uma rotina de exercícios e fazer reeducação alimentar será mais simples com o planner. Além de marcar quais dias são dedicados à academia, é possível registrar o início, o peso atual, qual seu IMC e as medidas corporais.
  • Atividades semanais: qualquer compromisso na semana deve ser anotado na sua agenda planner. Então, esqueça aquelas anotações em post-its espalhados pela sua mesa e computador. Reúna 100% das suas atividades, reuniões, demandas a serem entregues, aulas extracurriculares e até aquele happy hour com os amigos.
  • Balanço mensal: outra característica do planner é o espaço para fazer um balanço mensal. Ou seja, colocar no papel quais metas foram cumpridas, o que ficou para trás, qual a inspiração para o próximo mês, o que aconteceu de bom ou ruim etc.

Diferentemente das tradicionais, que têm um dia por página e nenhum espaço para a imaginação, a agenda planner é definida pela liberdade.

Por isso, nesse tipo de organização, o que vale é a personalização — que pode ser colocada em prática em um planner não datado, mas com algumas ideias traçadas, ou em um planner do tipo bullet journal, que é totalmente branco.

Como não é necessário esperar o começo do ano para usar a agenda planner, que tal conhecer as opções disponíveis na nossa loja online? Até o próximo post!

Organização e produtividade: como unir esses fatores no dia a dia?

Manter todas as atividades, tanto as pessoais quanto as profissionais, em ordem é um grande desafio. Ainda mais para quem tem diversas responsabilidades dentro e fora de casa. O melhor caminho para aumentar sua produtividade é, sem dúvida, a organização.

Mas como unir esses dois fatores no dia a dia? Qualquer profissional sabe a importância de manter uma rotina saudável de produção e compromissos — fator que influencia não só na qualidade do trabalho, mas também na qualidade de vida.

É preciso atenção, pois a procrastinação não dá sinais de que vai começar e pode demorar a ser percebida. No texto de hoje, apresentaremos algumas dicas de como manter a organização e a produtividade sem perder os cabelos.

Mantenha os compromissos listados

O primeiro passo para criar uma rotina de compromissos é listá-los. Tudo o que precisa ser executado na semana deve entrar no seu planejamento, desde tarefas simples (como contratar uma diarista ou ir à academia) até a entrega de um relatório importante.

Dessa forma, será possível visualizar os espaços que estão livres para novos afazeres — afinal, sempre surge algo a mais que precisa ser feito! Além disso, ficará fácil se planejar para atividades pessoais ou que você está tentando fazer há tempos.

Nesse caso, podemos citar como exemplo aquele curso de inglês que você vive adiando ou aquela aula de dança que você sempre quis começar.

Desenvolver o hábito de anotar esses compromissos fará com que você já sinta os efeitos da organização. Mas não é só isso! É preciso também lembrar de checar os horários, verificar o que foi anotado e, acima de tudo, seguir o planejamento.

Crie metas profissionais e pessoais

Outro passo para se livrar da procrastinação e conquistar uma produtividade maior é criar metas. Isso vale tanto para o lado pessoal quanto para o profissional, ok? Comece determinando uma meta para a semana, depois para o mês e para o ano.

Tente incluir palavras-chave ou imagens que te lembrem diariamente desses objetivos. Os estímulos diários darão mais força de vontade e farão com que a agenda seja seguida. Detalhe: comece com metas “alcançáveis” para não se decepcionar. Com o passar do tempo, após conquistar a organização que almejava, aumente o grau de “exigência”.

Alguns exemplos iniciais são: ler um livro pequeno por semana, ir pelo menos três dias à academia, beber dois litros de água por dia, fazer o mínimo de três vendas por semana etc.

Escolha um método de organização

Já falamos sobre metas e anotações. Mas você deve estar se perguntando: como fazer tudo isso, na prática? Por mais que a internet esteja recheada de dicas e mais dicas de organização, cada pessoa tem as suas preferências. O gosto pessoal conta muito!

Por isso, o ideal é escolher aquele método organizacional que mais funciona pra você. Se possível, faça diferentes testes. Por exemplo: usar um planner, que é uma espécie de agenda, é um dos caminhos mais simples de colocar a rotina em ordem.

Eles são pequenos cadernos com layouts já planejados para manter a organização do seu dia, semana, mês e ano. Seguir as indicações, que já vêm impressas nas páginas dessa agenda, pode aumentar sua produtividade sem que você perceba.

Um bom planner deve ter espaço para:

  • Planejamento financeiro do ano;
  • O projeto do mês (com data inicial, final, plano de ação etc);
  • Sistematizar a rotina fitness;
  • Incluir todas as atividades semanais,
  • Fazer o balanço mensal (quais metas foram alcançadas).

Além disso, esse tipo de agenda contém outras funcionalidades, como calendário, espaço para anotações gerais, controle da despesa mensal, listagem de compras, páginas livres para registrar momentos do mês, pensamentos e ideias.

Tem alguma outra dica de organização pessoal para compartilhar? Comente abaixo e conheça nossas opções de planner pra você começar a se organizar.

Como ter criatividade e organização usando um bullet journal

Um método tem conquistado cada vez mais espaço na vida de quem precisa ser criativo e se organizar melhor: o bullet journal. Também chamado carinhosamente de BuJo, o formato de planejamento tem como uma das suas principais características a personalização.

Esse toque pessoal é o que o diferencia de outros tipos de agendas. Afinal, cada pessoa tem seu próprio jeito de colocar ordem nas finanças, acompanhar o cumprimento de metas, planejar sua semana, mês ou ano, fazer listas variadas, organizar seu dia e até mesmo registrar experiências.

Se a falta de organização dessas tarefas tem te incomodado, usar um bullet journal pode ser o caminho mais adequado para realizá-las.

Por que usar um bullet journal?

De maneira simplificada, o bullet journal é usar tópicos para planejar, organizar e registrar. Por isso, ele pode ser utilizado para colocar ordem em todas as suas atividades — sejam elas pontuais, recorrentes, simples, complexas, rápidas ou demoradas.

Inclusive, reunir todos os compromissos em um único lugar, desde os pessoais até os de trabalho e de estudo, fará com que a sua rotina fique mais organizada. As tarefas de casa, como dia de limpar o guarda-roupas, o dia da faxina ou o dia de ir ao mercado também entram na agenda!

O BuJo também pode reunir suas lembranças do dia a dia, como uma anotação sobre aquele show inesquecível, o primeiro dia de trabalho home office ou um livro que te marcou bastante. Essas informações formarão uma espécie de diário, que pode ser consultado em futuros projetos e ideias ou ser guardado como recordação.

Como funciona esse método?

O básico do bullet journal consiste em fazer um índice e segui-lo de acordo com os seus compromissos e anotações. Em cada página, você deve indicar o dia ou a semana e listar as obrigações. Alguns dos sinais mais utilizados são:

uma bolinha para compromissos

Como ter criatividade e organização?

Depois de conhecer como funciona um bullet journal, é hora de entender como esse método pode influenciar no seu poder criativo e organizacional. Mesmo acostumadas com ferramentas digitais, muitas pessoas não abandonam o hábito de “colocar no papel” as suas ideias e tarefas cotidianas.

Porém, não existe nada pior do que vários post-its espalhados pela mesa do escritório ou pregados em volta do computador, não é mesmo? Chega um momento em que é impossível saber onde está uma anotação importante ou por onde começar o trabalho.

Criar listas é a maneira mais simplificada de resolver essas questões e libertar o seu processo criativo, mas é preciso seguir algumas regras como as estabelecidas no BuJo. O bullet journal também pode ser dividido em temas, abrindo espaço para aquelas ideias soltas que surgem quando você está na sala de espera do dentista ou dentro do metrô.

Detalhe: não precisa de muita coisa pra começar! Ter um caderno e uma caneta é o primeiro passo. Você pode escolher um caderno sem pauta, que tem espaço livre para a construção dos seus esquemas, mas também pode optar por aqueles com páginas quadriculadas ou pontilhadas — que facilitam os desenhos e posicionamentos.

Com o tempo, coloque o seu estilo nas anotações, utilizando canetas coloridas, lápis de cor, canetinhas, recortes de revista, fitas adesivas e outros recursos que te agradem.

Você também gosta de colocar as suas ideias no papel? Então compartilhe a sua experiência conosco por meio dos comentários e siga-nos nas redes sociais para acompanhar outras dicas! Estamos no Facebook, no Instagram e no Pinterest.